Criar uma memória

Esta seção foi traduzida a partir do texto original em inglês, disponibilizado no site do Sands (stillbirth and neonatal death charity) < http://www.uk-sands.org/Support/Memories-and-keepsakes.html >.

Quando alguém que amamos morre, muitas vezes compartilhamos as memórias e histórias com outras pessoas. Alguns objetos se tornam de muito valor porque lembram das pessoas que amamos e os momentos que tivemos juntos. Quando o bebê morre próximo da época do nascimento, as lembranças dele ou dela são poucas. Mesmo as lembranças que ficam na sua memória podem ser pequenas.

Alguns pais possuem lembranças vívidas da gravidez, outros tiveram a oportunidade de ver e tirar fotos do seu filho enquanto vivo. Mas a coisa mais difícil de aceitar é deixar o hospital com tão poucas lembranças.

Embora você possa pensar que as lembranças daquele momento podem ser de pouca ajuda, mais tarde as memórias de seu bebê, provavelmente, será muito valioso para você. Há muitas maneiras de criar uma memória.

Se você pedir, os profissionais do hospital podem oferecer a oportunidade de criar memórias e recolher lembranças que irão ajudá-los a lembrar do seu bebê.

Você pode ter idéias sobre o que você pode fazer para criar as memórias e lembranças. Se o seu bebê morreu na unidade neonatal, você pode ter tido tempo maior para recolher os objetos para criar as memórias.

Se você tiver a oportunidade de ver e estar com seu bebê, talvez possa lavar e vesti-lo com algumas roupas que você tinha levado para ele ou ela.

Na Inglaterra é comum os pais tirarem fotos do bebê morto para guardar como lembrança.

Um pai comenta que seria melhor ter uma foto mesmo se depois ele nunca quiser olhar, do que querer uma foto que ele não tem.

Se você quer fotos, você pode pedir ao profissional da saúde que está te acompanhando para tira-las.

Tirar fotos é uma escolha muito pessoal. Se por qualquer motivo você não quer fotos tiradas, é só dizer.

Contudo, a maioria dos pais no Brasil não tem a oportunidade de serem orientados quanto às memórias e não possui uma fotografia, uma mecha de cabelo ou pegadas. O motivo foi porque não foram autorizados a ver o seu bebê ou porque não tiveram a “ideia” de recolher as memórias. Existem hospitais que ainda negam aos pais o direito de ver seu bebê. Nos dias e semanas mais tarde você pode se arrepender de não ter visto seu filho ou de não ter insistido para ter visto. Porém, nem sempre os pais conseguem verbalizar o desejo de conhecer, tocar, segurar no colo o seu filho que agora está morto. Tomar uma decisão em um momento de muito sofrimento nem sempre lhe é possível. Eles, frequentemente, não sabem o que querem ou qual a melhor decisão. Assim, nesta situação, outras pessoas acabam decidindo por eles o que fazer.

No entanto, existem maneiras de criar uma memória de seu bebê, aqui estão algumas sugestões: salvar algo que você tinha para o seu bebê, um brinquedo ou uma roupa. Você pode plantar uma árvore em um lugar onde você pode ir para “visitar” a seu bebê. Acenda uma vela ou incenso em casa com alguma coisa que você se lembra. Comemore a cada ano a vinda de seu bebe. Na árvore de natal você pode colocar um enfeite lembrando a presença do seu bebê. Cada pessoa está apta a criar as suas memórias, porque elas vêm do coração.

Nomeando seu bebê

Muitos pais decidem nomear seu bebê. Isto dá ao bebê a sua própria identidade e pode torná-lo mais fácil falar sobre ele ou ela. Alguns decidem não dar ao bebê um nome e continuar a utilizar um apelido que eles usaram durante a gravidez. Quando um bebê é muito prematuro, pode ser muito difícil para os profissionais, que estão acompanhando, determinar o sexo de imediato. Neste caso, você pode preferir esperar até que o sexo seja confirmado por um especialista ou em um post mortem antes de escolher um nome. Ou você pode decidir escolher um nome que é adequado tanto para um menino e uma menina.