Obrigada por vocês existirem e me darem essa chance de falar

Obrigada por vocês existirem e me darem essa chance de falar.

Meninas, a cada dia, eu tenho pensando…Em agradecer, e sei lá, como? Como não nos perder diante dessa dificuldade que nos invade, a incompreensão da perda , a inexistência da explicação. Lembro que a frase da minha obstetra foi: “Isso acontece, é uma fatalidade!” Como assim, que frieza! Na verdade realmente foi uma fatalidade que não queria pra mim….Outra coisa engraçada (pra mim) eu me senti egoísta em alguns momentos,achei que não tenho esse direito, porque vire e mexe ouço: “Você não e a única que perdeu bebê! ” e realmente , não sou, mas posso pensar que essa dor e minha única sim, e posso ser sensível a outras pessoas, quando vejo mães guerreiras levando suas crianças com deficiência para centro de reabilitação, quando vejo mães que não podem dar mínimo, quando vejo mães lutando na UTI tentando salva- los, quando vejo reportagens sobre balas perdidas, assaltos e perdas, mães que nunca tiveram a chance de dar a luz, e já ouvi dizer, centenas de tentativas. Mas ainda assim me sinto devastada, angustiada e as vezes mal, como assim? Posso me sentir culpada pela perda da minha filha, porque sim, sinto. Mesmo que me digam que eu não tenho esse poder todo. Já me disseram também, a gente não tem culpa, mas responsabilidades, não e a mesma coisa?
Mas na verdade meu objetivo hoje e eu acho que é: Vamos tentar sorrir, amar mais, agradecer as pessoas que estão do nosso lado, que nos amam, sofrem quando sofremos , filhos são presentes de Deus , sabemos que é incompreensível, as vezes tenho a impressão que minhas pernas não vão continuar. Mas elas vão , elas seguem , e não sei se e isso, mas e o que estou sentido hoje. Eu acredito na frase” Deus não nos da um fardo maior do que podemos carregar”. Agora eu acredito também que precisamos de ajuda, amigos , psicólogos, padres, pastores, todas as ajudas possíveis para lidarmos com a dor. Obrigada por vocês existirem e me darem essa chance de falar.